12 dic. 2009

El Mural La historia de una gran obra

El Mural - A história de uma grande obra

Los tiempos del cine, se sabe, son lentos. La paciencia juega un rol fundamental. Mientras Bichir y Machín repiten la escena de la charla en el despacho de Crítica, Carla Peterson hace tiempo en su camarín. Maquillada y vestida como Blanca Luz Brum, alumbrada por la intensa luz proyectada por los focos que rodean el espejo, se sienta en el sillón y cuenta su personaje.

Os tempo do cinema, sabe-se, são lentos. A paciência joga um rol fundamental. Enquanto Bichir e Machín repetem a cena da conversa no escritório da Crítica, Carla Peterson está em seu camarim. Maquiada e vestida como Blanca Luz Brum, iluminada pela intensa luz projetada pelos focos que a rodeiam ao espelho, senta-se no sofá e fala sobre a sua personagem.

"Es una poeta uruguaya, una mujer muy moderna para su época, muy comprometida ¿recalca--. Lo que tiene de raro es que hay mucho que no se sabe si es real, si es verdad o mentira sobre su vida. Tenía muchas contradicciones."

"É uma poeta uruguaia, uma mulher muito moderna para a sua época, muito comprometida, recalcada. O que tem de raro é que há muito que não se sabe se é real, se é verdade ou mentira sobre a sua vida. Tinha muitas contradições."

Blanca es la musa de Siqueiros, además de su mujer. Su cuerpo desnudo es el que aparece como motivo del mural. "Era una mujer que se daba todos los gustos -ironiza Peterson con picardía--. El día que se inaugura el mural se va a una torrecita y hace sus cosas con Neruda. Es amante de Botana también, es tremenda. Pero no se la puede juzgar."

Blanca é a musa de Siqueiros, além de sua mulher. Seu corpo desnudo é o que aparece como motivo do mural. "Era uma mulher que se dava a todos os gostos - ironiza Peterson com gracinha. O dia que abriu o mural será uma pequena torre e faz sua coisa com Neruda. É amante de Botana também , é tremenda. Mas não pode ser julgado ".

Matéria completa aqui.




Gracias Marcia - AR-Telenovelas

No hay comentarios.: